6 Transformações para alcançar os ODS

6 Transformações para alcançar os ODS

O estudo, Six Transformations to Achieve the SDGs, lançado em 2019, foi construído com base nos resultados que obtivemos até então no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).  Segundo os autores do estudo, Jeffrey D. Sachs, Guido Schmidt-Traub, Mariana Mazzucato, Dirk Messner, Nebojsa Nakicenovic e Johan Rockström:

“As seis transformações proporcionam um quadro de ação integrado e holístico que reduz a complexidade, mas englobam os 17 ODS, as suas 169 metas e o Acordo de Paris. Proporcionam uma nova abordagem para passar da mudança incremental à transformação; para identificar sinergias utilizando vias de desenvolvimento sustentável; para formular roteiros acionáveis; e um enfoque nas inter-relações para descobrir múltiplos benefícios e sinergias.”.

A primeira transformação identificada está relacionada com a Educação, o Género e a Desigualdade. A educação constrói o capital humano, que por sua vez promove o crescimento económico, a eliminação da pobreza extrema, o trabalho decente e a superação das desigualdades de género e outras. Como tal, a primeira transformação compreende três conjuntos de intervenções para promover a educação e a igualdade de género e para reduzir as desigualdades.

Por outro lado, a segunda transformação promove investimentos chave na saúde e bem-estar. A conceção e implementação deverão ser conduzidas pelos ministérios da saúde em coordenação com outros ministérios, tais como o trabalho e a indústria. Tal como na 1ª transformação, as principais intervenções são sinérgicas sem grandes contrapartidas, desde que seja aplicado o princípio de não deixar ninguém para trás. As intervenções no âmbito de outras transformações, particularmente relacionadas com a saúde ambiental e os comportamentos saudáveis, reforçam os resultados e o bem-estar da saúde.

A terceira transformação visa assegurar o acesso universal às fontes modernas de energia, descarbonizar o sistema energético em conformidade com o Acordo de Paris e reduzir a poluição industrial do solo, água e ar. A implementação desta transformação requer uma estreita coordenação entre vários ministérios governamentais, incluindo planeamento, energia, ambiente e transportes. As intervenções são sinérgicas, mas as contrapartidas podem surgir de uma má conceção.

Hoje em dia, o uso dos solos e os sistemas alimentares levam à persistência da fome, desnutrição e obesidade. Os sistemas alimentares são responsáveis por um quarto das emissões de gases com efeito de estufa, mais de 90% da utilização de água, perdas de biodiversidade e da sobreexploração da pesca. Ao mesmo tempo, são altamente vulneráveis às alterações climáticas e à degradação dos solos. Pelo que são necessárias estratégias integradas para tornar os sistemas alimentares, o uso da terra e os oceanos sustentáveis, estratégias estas incorporadas na quarta transformação identificada no estudo Six Transformations to Achieve the SDGs, que diz respeito à alimentação, solos, água e oceanos sustentáveis.

Relativamente à quinta transformação, as cidades e outras áreas urbanas albergam cerca de 55% da humanidade e 70% da produção económica global, sendo que, até 2050, estas quotas aumentarão para 70% e 85%, respetivamente. As cidades são particularmente vulneráveis às alterações climáticas, mas a maioria das cidades está longe de cumprir o triplo objetivo de serem economicamente produtivas, socialmente inclusivas e ambientalmente sustentáveis. Quase um terço dos habitantes urbanos vive em aglomerados populacionais informais e muitas aldeias e pequenas cidades não têm acesso a água, saneamento, transportes e energia. Tudo isto reflete o trabalho que ainda tem de ser feito em prol da quinta transformação, isto é, cidades e comunidades sustentáveis.

Por último, neste estudo apresentam-nos a sexta transformação, esta relacionada com a revolução digital para o desenvolvimento sustentável. A inteligência artificial e outras tecnologias digitais – por vezes referidas como a Quarta Revolução Industrial – estão integradas em quase todos os setores da economia, incluindo a agricultura (agricultura de precisão), mineração (veículos autónomos), manufatura (robótica), retalho (comércio eletrónico), finanças (pagamentos eletrónicos e estratégias comerciais), meios de comunicação social (redes sociais), saúde (diagnósticos e telemedicina), educação (aprendizagem em linha), administração pública (e-governação e votação eletrónica), ciência e tecnologia. As tecnologias digitais podem aumentar a produtividade, baixar os custos de produção, reduzir as emissões, expandir o acesso, reduzir a intensidade de recursos dos processos de produção, melhorar a correspondência nos mercados, permitir a utilização de grandes dados e tornar os serviços públicos prontamente disponíveis. Podem também melhorar a eficiência dos recursos, apoiar a economia circular, permitir sistemas energéticos de carbono zero, ajudar a monitorizar e proteger os ecossistemas, e assumir outros papéis críticos no apoio aos ODS.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial